Honmon Butsuryu-Shu – Porto Alegre

“Perfeição não é fazer tudo certo é haver equilíbrio em tudo”


Deixe um comentário

Os números de 2014


Os duendes de estatísticas do WordPress.com prepararam um relatório para o ano de 2014 deste blog.

Aqui está um resumo:

Um comboio do metrô de Nova Iorque transporta 1.200 pessoas. Este blog foi visitado cerca de 4.100 vezes em 2014. Se fosse um comboio, eram precisas 3 viagens para que toda gente o visitasse.

Clique aqui para ver o relatório completo

Anúncios


Deixe um comentário

Visita do Sacerdote Shintoku-Shi Macedo


Arigatougozaimassu,
Do dia 3 a 7 de julho de 2014 receberemos a visita do Monge do Budismo Primordial – Honmon Butsuryu-Shu no Rio Grande do Sul.
Convidamos a todos que desejam conhecer ou fazer parte da HBS para agendar um dia para conversar.
O agendamento pode ser feito por contato aqui pelo site.
Obrigado e grande abraço.
Arigatougozaimassu.


Deixe um comentário


*Tanto o é, que na antiguidade, quando alguns seguidores abandonavam a prática, rompiam as contas simbolizando a desistência da prática. Porém, quando isso acontece, interpretamos que a determinação, na verdade nunca existiu, pois a determinação de um budista é considerada algo que deve durar para sempre, tal como exprime a simbologia do odyuzu.

Qual será o Odyuzu que você possui? Hoje em dia existem diversos modelos, feitos de diversos tipos de matéria prima. Mas, na antiguidade eles eram principalmente confeccionados a partir de algum tipo de madeira bem dura.

Na antiga Índia, o Odyuzu confeccionado com o fruto da árvore sob a qual Buda atingiu a iluminação (Bodaidyu. Capa da Revista n.57) era considerado o melhor. No Sutra Dyuzu kudokukyou (O Sutra da virtude do Odyuzu) consta da seguinte forma.

“Contas feitas de ferro aumentam a virtude da prática em 5 vezes.
Contas feitas de bronze vermelho aumentam a virtude da prática em 10 vezes.
Contas feitas de pérolas ou corais aumentam a virtude da prática em 100 vezes.
Contas feitas da madeira da árvore Mokuuushi I aumentam a virtude da prática em 1.000 vezes.
Contas feitas com o fruto da lótus aumentam a virtude da prática em 10.000 vezes.
Contas feitas de jade aumentam a virtude da prática em 1.000.000 de vezes.
Contas feitas de cristal aumentam a virtude da prática em 1.000.000 de milhão de vezes.
E, contas feitas de Bodaishi² aumentam a virtude infinitamente”.

1. Considerada no Japão como a árvore que produz contas para odyuzu.

2. Considerada na Índia como a árvore que produz contas para odyuzu. Marrom, de superfície áspera e porosa.

Dessa forma podemos verificar que desde a época de Buda já existiam vários tipos de odyuzu. Hoje, já existem várias outras matérias primas utilizadas na confecção de odyuzu como, plástico, vidro, pedra, marfrm e outros.

Todavia, como o próprio nome já diz “contas”, é um instrumento religioso budista que servia para quantifIcar interiormente quantas vezes realizou determinada prática. De maneira alguma, pelo espírito primordial, pode ser dito que pelo material utilizado na confecção um é melhor que o outro e etc,.

Existem vários formatos de odyuzu

Além das diferentes matérias primas de um odyuzu, existem diferentes formatos. Alguns tem o formato da circunferência do crânio humano, outros tem borlas (Fussa) longas outros curtas. Alguns tem poucas contas outros mais. Existem odyuzu de 14,21,27,42,54,108 e até 1080 contas.

Também, além do nome Odyuzu (assim chamamos na HBS), o terço budista é chamado de nendyu ou zuzu. Em sânscrito “odyuzu” é chamado de lapa-mala. lapa, significa recitar, e mala, impurezas. Ou seja, recitar o mantra para que as impurezas, imperfeições sejam extirpadas.

Tradicionalmente um odyuzu deve possuir 108 contas (que representam as 108 paixões ou imperfeições mundanas), mais quatro (de tamanho ou cor diferenciada) que representam os Quatro Bodhisattvas Primordiais (Jyougyou, Muhengyou, Dyougyou, Anryuugyou) somando um total de 112 contas em sua enfiada principal.

Há duas grandes contas (diferenciadas pela cor ou tamanho maior) que ficam logo acima das borlas que representam respectivamente os Budas, Shakamuni (Buda Histórico, à esquerda) e Buda Tahou (Buda dos muitos Tesouros, também tido como Buda testemunha do Sutra Lótus, à direita).

Existem cinco borlas nas extremidades das duas grandes contas. Das cinco borlas uma é mais curta que as quatro demais, e possui apenas dez enfiadas de contas que representam os dez mais notáveis discípulos de Buda, e se localiza à esquerda, logo abaixo do mestre Buda Shakamuni.

Há quatro contas (de formato diferenciado) que se localizam nas extremidades das demais quatro borlas, representam os Quatro Reis Guardiões Celestiais. Protetores de cada região do universo, norte, sul, leste e oeste.

De acordo com este formato o odyuzu deve ser utilizado da seguinte forma (foto capa). O lado que tem 3 borlas vai na mão esquerda. Como é o lado em que se encontram o Buda histórico e seus discípulos, segue a simbologia da antiga Índia de esconder o lado esquerdo do corpo, considerado impuro. *Detalhe: Antes de introduzir o dedo médio da mão direita dentro da parte direita do odyuzu, torcemos meia-volta o terço, assim, cruzando as contas, elas se unem mais facilmente entre nossas mãos. Também é assim que tradicionalmente se usa.

Utilizando o odyuzu desta forma e se colocando em postura de devoção, estará num só ato demonstrando consciência em eliminar todos os males e praticar todo o bem conforme o seguimento dos ensinamentos budistas.

Conto sobre a origem do Odyuzu

Na antiga Índia, existiu um rei chamado Haruri. Certa vez ele fez a seguinte pergunta a Buda:

“Em meu pequeno país não chove há muito tempo. Estamos sendo assolados pela seca e fome. Devido a isso as pessoas estão com muita dificuldade para se dedicarem à prática budista. Por favor, nos ensine algum tipo de prática que mesmo diante desta difícil situação possa ser realizada”. Buda respondeu da seguinte forma:

“Grande Rei, se desejar extinguir as paixões mundanas e realizar a prática budista, faça uma enfiada com 108 contas, carregue sempre consigo e a cada oração recitada passe uma conta adiante. Se após fizer isso por 200.000 mil vezes e seu sentimento ainda não se transformar, ao menos receberá um alívio celestial. Se fizer isso 1.000.000 de vezes, após isso terá encontrado um estado em que não mais será atingido pelo sofrimento.”

Na antiguidade, os praticantes do budismo usavam o odyuzu para contar as súplicas que faziam diante de uma imagem. Acreditavam que cada súplica extinguia uma das paixões mundanas que possuíam. De acordo com essa crença o ser humano se aproximaria do estado de Buda, concretizaria a iluminação de uma forma simples e rápida. Porém, na realidade as paixões mundanas não se acabam dessa forma.

Por outro lado se usarmos corretamente o odyuzu, unindo as mãos em postura de devoção (Gasshou), sentiremos que essas paixões (108) mundanas estarão espremidas entre os Budas (contas maiores). Cada súplica e oração feita com fervor, fará com que o nosso Buda Primordial interior interfira nas nossas paixões mundanas ocasionando uma transformação aguda em nosso ser. Isto é, nos tomaremos em indi víduos que não só pensam em si próprio, mas como também que têm capacidade de ter compaixão pelos outros.

Portanto, o importante é buscar essa transformação usando o odyuzu em nossas orações, e nos esforçarmos na prática diária da oração do Namumyouhourenguekyou, porque, diminuindo as nossas paixões mundanas, diminuirão também todos os nossos sofrimentos.

Cuidados

Hoje em dia o odyuzu não é mais usado para contar as súplicas, mas sim para nos motivar ao máximo nossa dedicação às orações. O mestre Nissen Shounin, ao invés de contar as contas nos ensinou a marcar a quantidade de orações de acordo com o tempo. Ou seja, em 30 minutos podemos orar 1000 Odaimoku (Namumyouhourenguekyou) e em 5 horas, 10.000 Odaimoku. É também nesse ritmo que normalmente oferecemos as orações.

Como o odyuzu é um objeto de extrema importância para nós budistas, devemos tomar cuidado com o seu zelo e manuseio também. Segue abaixo alguns cuidados:

– Guardá-lo sempre num porta-odyuzu, ou invólucro especial para carregá-lo.
– Nunca guardá-lo em bolsos abaixo da cintura.
– Não colocá-lo diretamente em cima de um assento.
– Sempre que adquirir um odyuzu solicitar a consagração a um sacerdote.
– Utilizá-lo com as mãos limpas.
– Não esquecer de utilizá-lo nas orações.
– Se não tem um odyuzu, esforçar-se para ter. (é preciso ser um fiel budista)
– Não utilizá-lo como amuleto. O alvo de adoração sempre será a Imagem Sagrada.
– Utilizá-lo sempre com todo cuidado e respeito e, outros cuidados que naturalmente deve-se ter quando sabe-se que é uma peça importante para a prática budista e que representa a determinação de todo o devoto budista.

Bibliografia:

Butsuryu Shinbun/maio/2004.n.533 HBS News n.9.Iwanami Bukkyou Diten.

Bonwa Daiditen.


Deixe um comentário >


OS DEZ MUNDOS INSTANTÂNEOS

Divisão de dez estados incorporados em nossa existência seja ela iluminada ou não. Todos os seres por igual possuem todos esses estados e de acordo com a prática e vivência eles se manifestam. Nos dedicamos à prática da fé para proporcionar a manifestação do estado de Bossatsu, estado obrigatório para a manifestação do estado de Buda. Quando manifestamos este estado exercemos a identidade deste ser que se dedica à prática da compaixão de forma incondicional. Vale lembrar que a virtude da oração e vivificação do Namu-kyo permite-nos saltar do estado e condição meramente humana para o estado de Bossatsu.

São Estados de Espírito ou condição da vida que uma pessoa manifesta no decorrer da sua existência.

l ) JIGOKU – Estado de Inferno

Esta condição é caracterizada pelo impulso de destruir a si próprio, assim como, todos e tudo que estiver em seu caminho. Ë uma condição de extremo sofrimento.

2) GAKI – Estado de Fome

Nesta condição a pessoa é conduzida pelos desejos insaciáveis, não apenas como alimentos e roupas, mas também pelo desejo de obter poder e fama.

3) TIKUSHO – Estado de Animal (Irracionalidade)

A insensatez é a característica deste estado. A pessoa é escrava dos desejos do instinto e perde o sentido da razão e da moralidade.

4) SHURA – Estado de Ira

Neste estado a pessoa é dominada pelo egoísmo. desprezando os outros e valorizando só a si próprio, não suportando ser inferior a ninguém, em nada.

5) NINGUEN – Estado de Humanidade (Racionalidade)

Este estado é caracterizado pela racionalidade. Nesta condição a pessoa pode se expressar com coerência, controlar seus desejos instintivos através da razão e portar-se como humano.

6) TENJYO – Estado de Céu ou de Alegria

E a sensação de bem-estar em todos os sentidos. Porém, todas essas alegrias são efêmeras e desaparecem com o passar do tempo.

7) SHOUMON – Estado de Erudição.

Homens de Erudição significam originalmente, aqueles que ouviam o Buda e se esforçavam para eliminar os desejos mundanos para atingir a Iluminação. Porém, o estado de erudição é caracterizado pela não divisão dessa compreensão com os demais.

8) ENGAKU – Estado de Absorção

Este estado é chamado de despertar por si mesmo. As pessoas neste estado compreendem algumas verdades, entretanto, as usam somente para próprio proveito.

9) BOSSATSU – Estado de Compaixão

O Estado de Compaixão é caracterizado pelas ações altruísticas. Assumem as dificuldades para si e cedem os benefícios aos outros. Procuram salvar o semelhante através de práticas budistas, mesmo que isto lhes custe a própria vida.

10) HOTOKE – Estado de Buda

 

É o estado de compreensão absoluta da Lei da Causalidade

(Causa e Efeito).

 

Fonte: http://www.buddhismprimordial.com/revista/viewPagina.php?id=60&view=paginas&pageid=187

 

 

Ostentação Gohonzon Sra. Clara F. dos Santos.

2 Comentários


Ostentação Gohonzon Sra. Clara F. dos Santos.

Arigatougozaimassu,

Hoje (28/07/2013) foi um dia muito especial, completamos 3 anos do Blog e tivemos a Ostentação do Gohonzon na residência da Sra. Clara.
Um dia muito especial e divertido.
Agradecemos ao Sac. Shintoku Macedo e a todos presentes por compartilharem conosco essa alegria.
Arigatougozaimassu


Arigatougozaimassu,

Receberemos a visita do Monge Shintoku Macedo de 25 a 29 de julho de 2013 em Porto Alegre.

Uma ótima oportunidade para conhecer ou saber um pouco mais sobre a Honmon Butsuryu-Shu – Budismo Primordial.

Aos que desejarem agendar uma data, basta preenche o cadastro ou enviar o e-mail nos comentários ( o email não aparecerá para público do Blog e será utilizado somente para contato)

https://creator.zoho.com/honmonbutsuryushu/cadastro-visita-budismo-primordial/form-perma/Cadastro_Visita_Budismo_Primordial/

Desejamos uma ótima semana a todos.

Arigatougozaimashita.


2 Comentários

Conheça a Honmon Butsuryu-Shu.


Arigatougozaimassu,

Nos dias 23,24 e 25 de maio de 2013 receberemos a visita do Sacerdote do Budismo Primordial HBS, Monge Shintoku-Shi Macedo.

Aos interessados em receber informações sobre o Budismo Primordial essa é uma grande oportunidade.

Para receber a visita ou marcar um local para encontro, deixar o email em comentários (seus email não aparecerá para outros visitantes e após resposta seu comentário será apagado) que entraremos em contato.

Arigatougozaimashita.

ATUALIZAÇÃO:

24/05 – Ainda existem horários a tarde para agendamentos.

25/05 – Todos os horários para esse dia estão reservados.