Honmon Butsuryu-Shu – Porto Alegre

“Perfeição não é fazer tudo certo é haver equilíbrio em tudo”


Deixe um comentário

Quer saber mais sobre o Budismo Primordial? A oportunidade é agora!


Arigatougozaimassu,

Hoje faço um convite à todos de Porto Alegre e do Rio Grande do Sul.

Quem quiser fazer parte ou saber mais sobre o Budismo Primordial – Honmon Butsuryu-Shu.

De 27 de Fevereiro a 3 de Março de 2012 receberemos a visita do Monge do Budismo Primordial Shintoku Macedo que é o novo responsável pela expansão do Budismo aqui no estado.

Essa é uma ótima oportunidade para todos que desejam conhecer o Budismo Primordial.

Quem deseja receber mais informações ou a visita basta enviar um e-mail com nome completo, endereço e telefone para contato.

Um grande abraço à todos.

Arigatougozaimashita!

CLICK AQUI PARA RECEBER A VISITA OU INFORMAÇÕES


Deixe um comentário

Quer fazer parte do Budismo Primordial (Honmon Butsuryu-Shu)?


Arigatougozaimassu,

Hoje faço um convite à todos de Porto Alegre e do Rio Grande do Sul.

Quem quiser fazer parte ou saber mais sobre o Budismo Primordial – Honmon Butsuryu-Shu.

De 27 de Fevereiro a 3 de Março de 2012 receberemos a visita do Monge do Budismo Primordial Shintoku Macedo que é o novo responsável pela expansão do Budismo aqui no estado.

Essa é uma ótima oportunidade para todos que desejam conhecer o Budismo Primordial.

Quem deseja receber mais informações ou a visita basta enviar um e-mail com nome completo, endereço e telefone para contato.

Um grande abraço à todos.

Arigatougozaimashita!

CLICK AQUI PARA RECEBER A VISITA OU INFORMAÇÕES


2 Comentários

Programa Despertar Budista – 6 de Abril de 2011


Arigatougozaimassu,

Posto para vocês mais um Programa Despertar Budista, peço desculpa a todos pela falta de alguns programas. Estou saindo para o trabalho antes do Programa começar.

Mas sempre que der vou gravar e com muito prazer colocarei para todos aqui no Blog.

Arigatougozaimashita!

PDB_6_de maio_2011


Deixe um comentário

Jornal Primordial – Hana Matsuri, O Natal Budista


Arigatougozimassu,

Festa do nascimento de Buda (Hanamatsuri), que ocorre no primeiro sábado do mês de abril é conhecido como o Natal Budista.

Arigatougozaimashita


Deixe um comentário

Programa do dia 15 de Abril de 2011


Arigatougozaimashita,

Programa Despertar Budista do dia 15 de Abril.

http://www.box.net/shared/ghs0jg8eka

Arigatougozaimassu.


Deixe um comentário

Cuidado com o Desejo -A Devoção de Pootarya-


Certa vez, quando Buda estava sentado sob uma árvore após retornar da sua prática matinal, apareceu um homem que se chamava Pootarya. Ele ficou de pé em sua frente e após o cumprimentá-lo iniciou o diálogo:

– O Sr. é o Buda. Tenho ouvido boatos a seu respeito. Me chamo Pootarya e vim com a intenção de fazer-lhe algumas perguntas.

– Seja bem vindo e sente por favor. A respeito de que gostaria de falar?

– Obrigado. Na verdade é a respeito do desejo que gostaria de falar. Quando satisfeito não há problemas. Porém, para satisfazer o desejo é necessário muito dinheiro e isso impossibilita a nossa realização. Como deveria pensar a respeito?

– Pootarya, primeiramente falaremos a respeito do desejo. Suponha que aqui temos um cachorro faminto e que este penetrou num matadouro. O dono do matadouro descobriu-o e a ele deu um osso que não havia mais nenhum resto de carne. Este voou em direção ao osso e roeu-o interminavelmente. Só que não saciou sua fome, pois não havia sequer vestígios de carne. O cachorro a fim de saciar sua fome roeu tanto que acabou machucando sua boca e engasgando com um pedaço de osso. O desejo é como se fosse esse osso. Enquanto não conseguir controlá-lo será a causa do seu sofrimento. Deve se dedicar à prática a fim de adquirir este controle.

– Entendi. No caso eu seria o cachorro e o osso o desejo.

– Exatamente. Também, suponhamos que em algum canto da vila esteja caído um pedaço de carne. Um urubu avistando-o pegou e saiu voando. Só que uma águia também viu e começou a perseguir o urubu. Pergunto-lhe, se o urubu não soltar o pedaço de carne não estaria colocando em risco a sua própria vida?

– Sim, Buda.

– Então pergunto. Se o urubu largar o pedaço de carne a águia não irá mais perseguí-lo?

– Sim, não mais perseguirá.

Artwork by Rodney Alan Greenblat

Em seguida Buda explicou.

– Neste caso o pedaço de carne representa o desejo, pois, enquanto não largar não parará de lhe causar sofrimentos. Portanto, a prática é o treinamento intenso para abnegarmo-nos desses tipos de desejo.

Em seguida Pootarya que estava concentrado nas palavras de Buda, para demonstrar a sua compreensão começou a citar vários exemplos que simbolizariam o desejo.

– Se uma pessoa estiver correndo contra o vento com uma tocha na mão, esta se queimará.

– Num certo lugar há um grande buraco totalmente em chamas. Será que alguém com a razão em seu perfeito estado entraria neste buraco?

– Também, suponhamos que num certo local haja uma grande e venenosa cobra, e que esta cobra venenosa estivesse furiosa. Será que alguém em seu perfeito estado, se aproximaria e lhe estenderia a mão.

– O desejo é como se fosse o fogo da tocha, o buraco em chamas ou a cobra venenosa. Por isso são coisas das quais não devemos nos aproximar. Pois, além de nos fazer sofrer, nos trazem danos e nenhuma satisfação duradoura.

Buda acrescentou.

– Pootarya, o desejo é como se fosse a realização dentro de um sonho, pois quando acorda nada resta. É algo que o faz pensar ter adquirido satisfação, mas que esta era ilusória e que deixa apenas mais uma sensação de vazio.

Por último Buda citou mais um exemplo.

– Suponha que haja uma árvore que dá frutos o ano todo, e que por ela passou um homem faminto. Este pegou uma fruta que de madura havia caído e comeu. Porém, não se contentando subiu na árvore a fim pegar algumas frutas para levar para casa. Nesse exato momento surgiu um outro homem que, com a mesma fome e do mesmo modo comeu uma fruta que estava caída no chão. Só que após isto resolveu derrubar a árvore para que pudesse levar muitos frutos para casa. O que aconteceria? Perguntou Buda.

Pootarya respondeu:

– O primeiro homem teria que descer rapidamente para não se machucar gravemente.

Sendo assim, Buda concluiu.

– Enfim, da mesma forma que o homem desceria rapidamente, devemos nos afastar o mais rápido possível dos desejos demasiados para não sofremos as conseqüências desta perseguição dolorosa, que nós mesmos nos submetemos.

Tudo haverá de acontecer desde que semeie a causa.

Como até mesmo o não desejar é um desejo, tudo que tem a fazer é viver naturalmente, se esforçando ao máximo para que tenha o merecimento, e que tudo venha a ser fruto da virtude da sua ação.

Após esta nobre explicação Pootarya tornou-se fervoroso devoto dos ensinamentos de Buda.


Deixe um comentário

Programa Despertar Budista – PRIMEIRO de Abril 2001


Arigatougozaimassu,

Programa Despertar Budista primeiro Programa mês de Abril.

PDB- PRIMEIRO DE ABRIL

Arigatougozaimashita


Deixe um comentário

Não se ache um sábio!


Arigatougozaimassu,

Discurso Religioso Proferido pelo Arcebispo do Budismo no Brasil, Kyohaku Correia. Templo Central Nikkyoji.

Não se ache um sábio!

Arigatougozaimashita!


Deixe um comentário

Dia 31. “ Reflita a respeito do que pode fazer a mais ou aprimorar”



Será que estou integrado e cumprindo as minha obrigações, como fiel da Religião Primordial que é a Honmon Butsuryu-Shu que nos assegura a bênção divina ?
A razão de viver, está em crer numa verdadeira religião.
Para uma pessoa é muito importante reconhecer o valor da sua existência e cumprir o seu dever. Protegido pelo poder da oração, vamos divulgar os preceitos de Buda, para que com isso consigamos o objetivo de implantar na terra, o verdadeiro sentido do Budismo.
Como prece para atingirmos essa finalidade, vamos praticar e expandir intensamente o Namumyouhourenguekyou.


2 Comentários

Prece




A prece é um desejo que traduzido pela sua fé o faz aclamar pela força que lhe falta e superar as próprias limitações e merecimentos. Para isto é necessário que o elo “fé” seja tão forte quanto a prece, para que a concretização resulte naturalmente como prova desta perfeita interação.
Prece é um pedido em forma de oração. Também é um grito, uma transmissão de significados que se faz diante do Gohozen (Altar). Portanto não deve ficar somente dentro de você. É necessário que seja exposta de forma oral e física para que se vivencie seu conteúdo no dia a dia, em todas as circunstâncias. Agindo assim, você verá dentro desta exteriorização todas as possibilidades de concretização.
A prece não o faz simplesmente realizar o possível, ou impossível, mas sim, o faz mostrar a si mesmo que nenhuma aparente possibilidade, ou impossibilidade, é maior que sua fé e que por isso nada o impede de agir e reagir constantemente. Principalmente a impossibilidade é uma das camuflagens do desafio. Portanto é apenas um disfarce que quando se desfaz o faz perceber que “quase foi enganado”. São “pegadinhas” da vida que se você não estiver preparado, pelo modo da fé, podem faze-lo cair no desespero e conseqüente sofrimento.



Portanto diante de quaisquer circunstâncias, aparentemente possíveis ou não, a inserção de nossos sentimentos e desejos como prece na prática religiosa nos libertará de qualquer bloqueio, interno ou externo, que nos inibe de agir com a dignidade de um ser humano; devoto de um ensinamento que nos habilita à iluminação, pelo poder da oração.
Costuma-se dizer que o verbo “orar” (em japonês “Inoru”) deriva da expressão “InoKakeru” (Apostar a vida), ou seja, se a prece é feita em forma de oração é porque está apostando sua própria vida e por isso deve ser responsável pela prece e não deixar a nossa parcela de esforço por conta de outrem ou do acaso. A seriedade da prece é fator vital para sua concretização. Você só aposta a vida naquilo em que realmente acredita.
Sabendo-se que para um descrente não faz sentido algum fazer prece, concluímos que a prece tem como pressuposto principal a fé. E, se tem fé, além de orar pela concretização se utiliza de todas as suas forças para propiciar a concretização, daí se comprovará a veracidade de sua prece.
O mestre Nitiren em suas escrituras enfatiza a importância das preces, pois o Sutra Lótus afirma esta possibilidade, sem discriminações, revelando assim a unicidade entre o Ser e o Dharma.
Aquilo que deseja ter ou ser, que seja ou aconteça, seja lá mundano, material ou imaterial, desde que se recicle pelo espírito de fé que nos une ao Namumyohorenguekyo nos proporcionatá virtudes e bênçãos.
A prece é uma forma importante que faz nos unir e aproximar, cada vez mais, do Gohozen. Por fim essa será a nossa maior concretização.